Frei Galvão através dos tempos

Com a Beatificação de Frei Galvão, a casa onde nasceu o Santo, passou a ser um ponto de atração devocional. O lugar sempre foi venerado pelos guaratinguetaenses e muitos possuem até hoje, lascas de madeira da antiga residência de Frei Galvão.

A Casa de Frei Galvão - monumento único no Brasil por ser o local onde nasceu o primeiro brasileiro na Glória dos Altares - tornou-se então o cenário ideal para abrigar as relíquias - também únicas - atendendo assim, a fé e o desejo dos devotos e turistas.

Uma Sala, no rez do chão, solo que foi pisado pelo menino Antônio - futuro Frei Galvão, foi escolhida para a exposição das Relíquias.

Um livro de visitas registra diariamente, o nome dos devotos de Frei Galvão e sua procedência, documentando assim que a fé em nosso santo já avançou bem além das fronteiras brasileiras.

As Relíquias de Frei Galvão

Na Sala das Relíquias, na Casa de Frei Galvão, estão expostos documentos importantes sobre a vida e obra de Frei Galvão, a reprodução dos Autos da Beatificação, telas apresentando milagres e fatos de sua vida, ex-votos, numerosos agradecimentos por graças alcançadas e algumas peças e ferragens desta Casa, em que Frei Galvão nasceu e viveu sua infância.

É nesta Sala que diversas e preciosas relíquias do primeiro Santo brasileiro, estão em exposição, integradas ao local de seu nascimento: relíquias de seus ossos e batina; a mesa que Frei Galvão usou como púlpito quando pregava em 1810, em São Luiz do Paraitinga, na qual, segundo a tradição, deixou a marca de seus pés; o prato de que Frei Galvão se servia no Mosteiro da Luz; um cordão de seu hábito de franciscano, usado por devotas em partos difíceis; pedras devocionais da primeira lápide de seu túmulo; tecido que envolveu seus restos, no ato de sua exumação; flores que enfeitaram o altar em Roma na cerimônia da Beatificação; certificado de autenticidade das relíquias.

Índice